SkillTech / Notícias  / Programa FIT 2.0 – Fostering Innovation in Tourism

Programa FIT 2.0 – Fostering Innovation in Tourism

Estão abertas as candidaturas ao Programa FIT 2.0 – Fostering Innovation in Tourism, uma iniciativa do Turismo de Portugal que visa dinamizar projetos inovadores de base turística e estimular o ecossistema empreendedor, através do apoio ao desenvolvimento de ideias e de modelos de negócio que possam gerar novas soluções para o setor do turismo.

Beneficiários

Podem candidatar-se ao Programa FIT 2.0, as entidades que assinaram ou venham a assinar o protocolo FIT com o Turismo de Portugal, enviando as suas candidaturas ao Turismo de Portugal
em conformidade com os Regulamento FIT 2.0 Ideação e Regulamento FIT 2.0​ Aceleração e Inovação Aberta.

 

Regulamento FIT 2.0​ Aceleração e Inovação Aberta

Objetivos

  • Dinamizar projetos inovadores de base turística e estimular o ecossistema empreendedor.

Tipologias de operação

a) Gestão sustentável das empresas e do destino – desenvolver soluções aos níveis ambiental, económico e social e que assentem em princípios de redução, reutilização, recuperação e
reciclagem de materiais e energia e de neutralidade carbónica; desenvolver soluções que possam direcionar os turistas para épocas e para territórios com menor procura;
b) Enriquecimento e melhoria da experiência do turista – desenvolver soluções que melhorem a experiência do turista ao longo do ciclo de viagem;
c) Promoção da mobilidade inteligente e sustentável – encontrar soluções que promovam a mobilidade de, para e no destino, de forma rápida, simples e sustentável e inclusiva num sistema
ligado em rede;
d) Gestão baseada em dados – fornecer soluções que informem o setor do turismo com melhores dados e insights;
e) Otimização das operações de negócio das empresas – desenvolver soluções digitais para as empresas, sobretudo PME, que aumentem a sua rentabilidade e que as tornem mais competitivas.”

 

Condições gerais

  1. A entidade candidata deve assegurar investimento total por capital próprio não inferior a 10%;
  2. Em cada programa deve ser indicado um(a) responsável pela candidatura e gestão do programa e pelo cumprimento dos objetivos propostos e das regras subjacentes;
  3. Não são aceites candidaturas cujas entidades se encontrem em situação de incumprimento injustificado dos requisitos contratuais no que respeita à validação de Relatórios de Execução Financeira ou à devolução de financiamentos transferidos para a entidade beneficiária relativos a programas realizados no ano anterior;
  4. As entidades beneficiárias devem comprovar em fase de candidatura, ter a sua situação contributiva regularizada perante a Segurança Social, a Administração Fiscal e o Turismo de Portugal, I.P.
  5. As entidades beneficiárias devem cumprir as obrigações legais em matéria laboral;
  6. No caso de associação de várias entidades, a candidatura deve explicitar o âmbito da cooperação das entidades envolvidas;
  7. Cada entidade não pode apresentar mais do que uma candidatura, podendo esta incluir até um programa de aceleração ou ao limite dois programas se um dos programas for de inovação aberta e cofinanciado por empresas e/ou outras entidades.

 

Condições Específicas

  1. Devem integrar os programas startups com, no máximo, 7 (sete) anos de existência;
  2. Cada programa não pode exceder a duração máxima de 1 (um) ano;
  3. É definido o número mínimo de 10 e o máximo de 20 startups por programa.

 

Despesas elegíveis

  • São consideradas elegíveis todas as despesas incorridas pelas entidades beneficiárias e afetas à execução do programa, à exceção de despesas referentes a prémios monetários a atribuir no contexto do programa;
  • Não são elegíveis despesas relacionadas com eventos que não decorram exclusivamente dos programas candidatos.

Taxa de apoio

  • Apoio de 90% das despesas elegíveis até ao máximo de €4 000,00

 

Regulamento FIT 2.0 Ideação

Objetivos

  • Dinamizar projetos inovadores de base turística e estimular o ecossistema empreendedor.

Tipologias de operação

a) Gestão sustentável das empresas e do destino – desenvolver soluções aos níveis ambiental, económico e social e que assentem em princípios de redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia e de neutralidade carbónica; desenvolver soluções que possam direcionar os turistas para épocas e para territórios com menor procura;
b) Enriquecimento e melhoria da experiência do turista – desenvolver soluções que melhorem a experiência do turista ao longo do ciclo de viagem;
c) Promoção da mobilidade inteligente e sustentável – encontrar soluções que promovam a mobilidade de, para e no destino, de forma rápida, simples, sustentável e inclusiva, num sistema ligado em rede;
d) Gestão baseada em dados – fornecer soluções que informem o setor do turismo com melhores dados e insights;
e) Otimização das operações de negócio das empresas – desenvolver soluções digitais para as empresas, sobretudo PME, que aumentem a sua rentabilidade e que as tornem mais competitivas.

Condições gerais

  1. A entidade candidata deve assegurar investimento total por capital próprio não inferior a 10%;
  2. Em cada programa deve ser indicado um(a) responsável pela candidatura e gestão do programa e pelo cumprimento dos objetivos propostos e das regras subjacentes;
  3. A dinamização do programa deverá assegurar o envolvimento de jovens recém-formados nas Escolas de Hotelaria e Turismo, Institutos Politécnicos e Universidades;
  4. Não são aceites candidaturas cujas entidades se encontrem em situação de incumprimento injustificado dos requisitos contratuais no que respeita à validação de Relatórios de Execução Financeira ou à devolução de financiamentos transferidos para a entidade beneficiária relativos a programas realizados no ano anterior;
  5. As entidades beneficiárias devem comprovar em fase de candidatura, ter a sua situação contributiva regularizada perante a SS, a AT e o Turismo de Portugal, I.P.
  6. As entidades beneficiárias devem cumprir as obrigações legais em matéria laboral;
  7. No caso de associação de várias entidades, a candidatura deve explicitar o âmbito da cooperação das entidades envolvidas;
  8. Cada entidade não pode apresentar mais do que uma candidatura, incluindo um programa de ideação.

 

Condições Específicas

  1. Os programas devem ter abrangência nacional, prevendo a realização de ações em Escolas de Hotelaria e Turismo da rede do Turismo de Portugal;
  2. Os programas devem prever a participação ativa de empresas, de associações representativas do turismo e da academia na identificação das necessidades que podem despoletar processos de inovação e desenvolvimento;
  3. Os programas devem ocorrer, atendendo o calendário escolar, no período entre outubro 2021 e julho 2022;
  4. É definido o número mínimo de 10 e o máximo de 25 startups/projetos por programa.

Despesas elegíveis

  • São consideradas elegíveis todas as despesas incorridas pelas entidades beneficiárias e afetas à execução do programa, à exceção de despesas referentes a prémios monetários a atribuir no contexto do programa;
  • Não são elegíveis despesas relacionadas com eventos que não decorram exclusivamente dos programas candidatos.

Natureza e taxa de apoio

  • Apoio de 90% das despesas elegíveis até ao máximo de €2 000,00.

 

 

A SkillTech presta serviços de consultoria e apoio técnico no âmbito da preparação e acompanhamento de candidaturas a Fundos Comunitários. Caso interessado em obter mais informações sobre este programa e pretenda ser notificado de oportunidades de financiamento para o seu projeto, não hesite em preencher o nosso  formulário  ou contactar-nos através dos seguintes meios:

Telefone:
+351 266 011 614

Email:
[email protected]